segunda-feira, 11 de agosto de 2014

A singularidade da música


Thomas Eakins

É evidente que a música dá às pessoas grande prazer e é também verdade que geralmente se considera que exprime algumas das mais profundas emoções humanas. Nenhum dos factos, contudo, explica apropriadamente o seu valor.

sábado, 9 de agosto de 2014

O que é o riso?


Johannes Moreelse, Demócrito (cerca de 1630)


Que significa o riso? O que há no fundo do risível? O que haverá de comum entre a careta de um palhaço, um jogo de palavras, um quiproquó de vaudeville, uma cena de fina comédia? Que destilação nos dará a essência, sempre a mesma, da qual tantos produtos diversos tiram o seu indiscreto aroma ou o seu delicado perfume?

A moda como pretexto


Fotógrafo de moda, Blow up

O dinamismo criativo do fotógrafo de moda nos anos sessenta é ilustrado  em David Bailey, o protagonista do filme de Michelangelo Antonioni, Blow up.

Fotografia subjetiva


Otto Steinert, Lights (1952)  

Trata-se de valorizar os desempenhos da visão fotográfica e de a diferenciar definitivamente do olhar humano. “A fotografia deu-nos pela primeira vez, a sensação da estrutura das coisas com uma intensidade que o olhar, limitado pela acomodação, ignorava inteiramente até então” (Otto Steinert)

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

A influência recíproca da pintura e da fotografia


Angus Mac Bean

A perspetiva, o enquadramento, a desfocagem, o instantâneo, o efeito de profundidade de campo são outros tantos contributos da fotografia para a pintura Toulouse Lautrec, Degas, Seurat, para citar apenas estes, provam-no nas suas telas.

O picturalismo


Peter Henry Emerson

Tudo começou com Peter Henry Emerson, que, no decurso da segunda metade do século XIX, “se insurge contra a fotografia que reproduz com igual precisão tudo aquilo que aparece no campo da sua objetiva” (citado por Jean A. Keim, na sua Histoire de la Photographie).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...