quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Razões para duvidar




PRIMEIRA MEDITAÇÃO
Das coisas que se podem pôr em dúvida

Notei, há alguns anos já, que, tendo recebido desde a mais tenra idade tantas coisas falsas por verdadeiras, e sendo tão duvidoso tudo o que depois sobre elas fundei, tinha de deitar abaixo tudo, inteiramente, por uma vez na minha vida, e começar, de novo, desde os primeiros fundamentos, se quisesse estabelecer algo de seguro e duradouro nas ciências.
(…) Então, hoje, eu que oportunamente libertei o espírito de todos os cuidados e me procurei um ócio seguro num retiro solitário, vou dedicar-me, por fim, com seriedade e livremente, a destruir em geral as minhas opiniões.

Para isso não será necessário mostrar que todas são falsas, o que possivelmente eu nunca iria conseguir. Mas porque a razão me persuade que não devo menos cuidadosamente coibir-me de dar o meu assentimento às coisas que não são plenamente certas e indubitáveis do que às abertamente falsas, para rejeitá-las todas basta que se me depare em uma delas qualquer razão de dúvida. Para isso, não tenho de percorrê-las cada uma em particular, trabalho que seria sem fim: porque uma vez minados os fundamentos, cai por si tudo o que está sobre eles edificado, atacarei imediatamente aqueles princípios em que se apoiava tudo o que anteriormente acreditei.
Sem dúvida, tudo aquilo que até ao presente admiti como maximamente verdadeiro foi dos sentidos ou por meio dos sentidos que o recebi. Porém, descobri que eles por vezes nos enganam, e é de prudência nunca confiar naqueles que, mesmo uma só vez, nos enganaram.
Mas ainda que os sentidos nos enganem algumas vezes sobre coisas pequenas e afastadas, há todavia muitas outras de que não podemos duvidar, embora as recebamos por eles: como, por exemplo, que estou aqui, sentado junto à lareira, vestido com um roupão de Inverno, que toco este papel com as mãos, e outros factos semelhantes. E ainda, qual a razão por que se poderia negar que estas próprias mãos e todo este meu corpo são meus? (…)
Ora muito bem, como se eu não fosse um homem que costuma dormir de noite e consentir em sonhos as mesmas coisas, ou também, algumas vezes, outras menos verosímeis, que aqueles alienados quando estão despertos! Com efeito, quantas vezes me acontece que, durante o repouso noturno, me deixo persuadir de coisas tão habituais como que estou aqui, com o roupão vestido, sentado à lareira, quando todavia estou estendido na cama e despido! Mas agora, observo este papel seguramente com os olhos abertos, esta cabeça que movo não está a dormir, voluntária e conscientemente estendo esta mão e sinto-a: o que acontece quando se dorme não parece tão distinto. Como se não me recordasse de já ter sido enganado em sonhos por pensamentos semelhantes! Por isso, se reflicto mais atentamente, vejo com clareza que vigília e sonho nunca se podem distinguir por sinais seguros, o que me espanta (…).
(…) a Aritmética, a Geometria e outras ciências desta natureza, que só tratam de coisas extremamente simples e gerais e não se preocupam em saber se elas existem ou não na natureza real, contêm algo de certo e indubitável. Porque, quer eu esteja acordado quer durma, dois e três somados são sempre cinco e o quadrado nunca tem mais do que quatro lados e parece impossível que verdades tão evidentes possam incorrer na suspeita de falsidade.
Todavia, está gravada no meu espírito uma velha crença, segundo a qual existe um Deus que pode tudo e pelo qual fui criado tal como existo. Mas quem me garante que ele não procedeu de modo que não houvesse nem terra, nem céu, nem corpos extensos, nem figura, nem grandeza, nem lugar, e que, no entanto, tudo isto me parecesse existir tal como agora? E mais ainda, assim como concluo que os outros se enganam algumas vezes naquilo que pensam saber com absoluta perfeição, também eu me podia enganar todas as vezes que somasse dois e três ou contasse os lados de um quadrado, ou em algo de mais fácil ainda, se é possível imaginá-lo. (...) Vejo-me constrangido a reconhecer que não existe nada, naquilo que outrora reputei como verdadeiro, de que não seja lícito duvidar. (...)
Vou supor, por consequência, não o Deus sumamente bom, mas um certo génio maligno, ao mesmo tempo extremamente poderoso e astuto, que pusesse toda a sua indústria em me enganar (...)


                                                       Descartes, Meditações sobre a Filosofia primeira






Dúvida metódica

Método/ meio para chegar à certeza.

Consiste em considerar provisoriamente como falso tudo aquilo que não se apresente ao espírito como indubitável

Características:
Metódica, porque não é um fim, mas um meio para chegar à verdade.
Provisória, porque enquanto meio para chegar à verdade, é colocada com a intenção de ser ultrapassada e é abandonada quando for alcançado o seu objetivo
Universal pois aplica-se sistematicamente a todas as crenças, sejam a priori, sejam a posteriori
Hiperbólica pois é radical, a dúvida é propositadamente exagerada, levada às últimas consequências considerando falso o que apenas é duvidoso.

Exame das crenças e “suspensão” de todas aquelas que sejam duvidosas
O objetivo é encontrar algo indubitável

ILUSÕES DOS SENTIDOS

É da observação que temos um número vasto de crenças.
-        Os sentidos por vezes iludem
-        Logo, não podemos confiar nos sentidos

(algumas percepções sensíveis parecem não estar sujeitas à ilusão, como por exemplo o “estar sentado à lareira”)

ARGUMENTO DO SONHO

Alguns sonhos são tão vivos que não é possível distingui-los com segurança das percepções que temos quando estamos acordados

Mas, algumas crenças não ficam em causa com a possibilidade de estarmos a sonhar, como por exemplo “Quer esteja acordado quer durma, dois e três somados, são sempre 5”

Mas, mesmo estas crenças podem ser colocadas em causa.

GÉNIO MALIGNO

A possibilidade de um ser inteligente, um “Deus enganador”, um Génio maligno, que controla a nossa mente e nos engana relativamente aquilo em que acreditamos.

A dúvida torna-se hiperbólica, radical.
A hipótese do génio maligno leva-nos a por em causa a existência do mundo exterior.

-        É possível que exista um génio maligno
-        Se isso é possível, então não posso ter a certeza de que o mundo físico seja real
-        Se não posso ter essa certeza, então se o mundo físico é real
-        Logo, não sei se o mundo físico é real.




Questões de revisão:

1- Caracterize, a partir do texto, a dúvida cartesiana.
2- Explicite o argumento cético do sonho.
3- Explicite o argumento cético da possibilidade do génio maligno.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...